1.


(fotografia, andré nunes, 2009)
É para não sentir tão forte o peso que é estar sozinho, e para poder compartilhar, para dizer de si /ouvir a si e a outras pessoas, para dialogar, para se aproximar/se identificar e também se diferenciar, para olhar/perceber e refletir em conjunto, para mostrar que os compostos são construções realizadas num contínuo ritmo diário. São essas, algumas das motivações que fazem com que essa escrita/estudo atualmente apresente-se objetivada na produção de sentidos nesse blog. Em especial, está dessa forma (meio bagunçada e caótica) apresentada aos visitantes, para que possam juntamente acompanhar o processo como o mesmo é feito instantes antes de vir ao ar nessa plataforma.
No momento em que defino os motivos que me levam a propor a construção desse pensamento/idéia, percebo que há uma RE-FLEXÃO sendo exercida e ativada. Uma “clínica da clínica” feita em autonomia, AUTONOMAMENTE. Nesse sentido, ao estabelecer alguns parâmetros que possam vir a contornam esse feitio. Consigo, ao mesmo tempo que tento associar coisas e assuntos distintos, formatar uma espécie de inaugural binômio fantástico compositivo: MOTIVAÇÃO X PRODUÇÃO DE SENTIDO/VIDA.
Percebo que isso já é, em si, parte da elaboração do meu processo/produção. Cabendo as outras instâncias que o compõe (circulação e recepção) significá-lo através do contato pela leitura o que o agente não mais inteiramente pode fazer. Esse produto derivado com o qual os visitantes entram em contato não deixa de ser em parte o agente, mas sim é um outro corpo desse, um resquício da ação, um objeto externo plasmado na forma de letras e imagens.
Antes que eu adentre o tema futuro, que veio derivado do pensamento/idéia sobre motivação-produção de vida/sentido, penso ser necessário que se configurem outras modalidades que possam afirmar o caráter RE-FLEXIVO, ou melhor, o caráter CLÍNICO possível dessa escrita.
A quem não saiba, a palavra clínica significa debruçar-se sobre, inclinar-se. E sobre esse texto em formação parte desse cuidado está sendo feito, está se desdobrando no exato instante em que a escolha dos léxicos é estabelecida enquanto instrumentalidade com-figurativa. Pensar tal produção, no primeiro instante maquino-ativa várias palavras. Essas fazem com que o pensamento/idéia derive em outras vertentes, antes da chegada no plano da inscrição temática. Vejamos.
MOTIVAÇÃO ___________ PRODUÇÃO.
No espaço sub-linhado, um jogo articulativo se dá. No “entre” coisas, interstício dessa hibridação possível, vários foram os nomes categorizáveis utilizados e instalados para sua proposição amplificante : artigos- substantivos-verbos-advérbios-pré/posições foram usados enquanto elementos catalizadores de junções. Te ilustro a ocupação do feito PRÓ-POSITIVO ao mostrar parte do mesmo, ao deixar aparente as combinações utilizadas para dar forma: MOTIVAÇÃO COMO PRODUÇÃO, MOTIVAÇÃO DA PRODUÇÃO, MOTIVAÇÃO A PRODUÇÃO, MOTIVAÇÃO NA PRODUÇÃO, MOTIVAÇÃO É PRODUÇÃO, MOTIVAÇÃO SEM PRODUÇÃO, MOTIVAÇÃO ELENCA PRODUÇÃO, MOTIVAÇÃO OCUPA PRODUÇÃO, MOTIVAÇÃO PARÊNTESES PRODUÇÃO, MOTIVAÇÃO MÚLTIPLA PRODUÇÃO. Eteceteras...
Nisso feito, um “POR QUE?” surge desse exercício "derivativo". Como se uma finalidade explicativa tivesse sendo exigida, como se houvesse uma causa para tanto. E ao poder desdobrar a questão da CAUSALIDADE (o POR-QUE dessa situação) em outras esferas dessa composição inicial, vislumbro meios alternativos de entendimento do que está acontecendo no interior desse fazer. E assim, damos a ela ( a situação de causalidade) outras vertentes que impliquem o tempo, o lugar e os modos que expandem o denominador MOTIVAÇÃO enquanto uma OPÇÃO de abertura em questões da PRODUÇÃO DE SENTIDO/VIDA.
Quando o POR-QUE surgiu, perguntei-me logo em seguida, que e quais motivos haviam em querer me OCUPAR com tal ação (escrever/estudar) nesse blog? Quando surge (tempo)? Como surge (modo)? De onde surge (lugar)?
Ao provocar esse movimento questionador, espécie de auto-diálogo, percebi que havia nessa OCUPAÇÃO uma necessidade de PRODUZIR SENTIDOS DE PERTENCIMENTO, AFIRMAÇÃO E EXPRESSÃO DE MINHA ATIVIDADE, DA ATIVIDADE DESSE SUJEITO AQUI, DA MINHA ATIVIDADE PELA ESCRITA. Como terapeuta ocupacional, comecei então a elaborar uma espécie de ANÁLISE DESSA ATIVIDADE, que agora trago aos leitores dessa plataforma informática.
Os motivos inaugurais que/quais me levaram a essa escrita atual, foram postos no início do texto alinhados a preposição PARA, que pode criar indicações/sentidos de: consequência/ fim/ referência/ tempo/ lugar/ proporção... quando não, também , de funcionalidades. E o que deixo aqui escrito não é PARA me justificar, tornar-me justo no/ao fazer, mas justamente para abrir a forma engessada que muitas vezes nem nos damos conta de estarmos somente ajudando a perpetuar sem questionar. Aprendi que assim como as palavras podem unir posições/modos de agir na vida, elas também podem destruir realidades engessadas em vigências. E talvez seja essa a consciência que falte a muitos de nós em nossos dia-a-dia.
Quando pensar sobre isso surge? Que tempos atravessam essa OCUPAÇÃO? O presente tem me feito pensar sobre o tema do COTIDIANO. É sobre esse que futuramente esses compostos aqui se desdobrarão. A medida que for estudando sobre ele, estabelecendo contatos com meus modos de pensá-lo e dialogá-lo com outros que o queiram pensar, que trarei algumas formas novas de como o mesmo vai se formatando e formando enquanto idéia/pensamento e composições.
Mas tal assunto/tema fez com que eu me recordasse do passado, da porta de entrada para minha formação em terapia ocupacional. Lembro-me que naquela época da universidade, o tema agora já introduzido aqui, nunca antes houvera sido pensado por mim. Foi através dele que alguns conhecimentos da profissão forma se inaugurando em mim. As ATIVIDADES DA VIDA DIÁRIA e as ATIVIDADES DA VIDA PRÁTICA foram ganhando construções em meus modos de lidar com territórios existenciais da vida humana. E assim parte de minha formação enquanto agente facilitador na vida dos sujeitos aos quais presto cuidados constituía-se.
Hoje, o COTIDIANO é um forte conceito sobre o qual realizo e estruturo minha prática diária. Ele é também um assunto de interesse em comum por parte de um grupo de estudos (CAOSAÇÃO) ao qual pertenço, e nesse temos vontade/motivação de pesquisá-lo, até como possibilidade de sobrevivência e experimentação de diálogos e produções futuras.
É ele também o lema do XI Congresso Brasileiro de Terapia Ocupacional, CBTO 2009, que ocorrerá entre 12 e 16 de outubro de 2009 em Fortaleza-CE, que traz nesse chamamento- O COTIDIANO : DA SIGNIFICAÇÃO À AÇÃO, seu interesse primordial.
Quando fui escrevendo tais linhas anteriores referentes ao quando-tempo, fui percebendo que havia nelas algo do modo-como e do lugar-onde o tema surgiu. Nisso fiquei a me perguntar que talvez essas três instâncias (TEMPO/MODO/LUGAR), timidamente postas em perguntas simples derivadas do porque inicial, já atravessavam parte da forma sobre a qual a questão do cotidiano é estruturada nas inter-relações humanas e nas visões de mundo-homem da Terapia Ocupacional.
Aventurar-me nessa ESCOLHA/OPÇÃO DE ESCREVER/ESTUDAR (desse jeito aberto) faz com que durante o meu próprio fazer haja uma pequena suspensão de atos e ações efetuadas no dia-a-dia. Tais suspensões acontecem através do trabalho criativo da escrita, assim como suas significações, reflexões, reintegrações sentidas quando estabeleço um retorno as experiências pessoais na prática do dia-a-dia, ou melhor, na própria esfera do tema: O COTIDIANO.
Penso que ao assim fazer, motivado por tal produção de sentido/vida, esteja abrindo espaços de aproximações com quem também queira dialogar sobre tal assunto.
Desde já alerto, o texto aqui exposto não é limpo, pode conter erros, é um rascunho esboçado durante instantes presentes nas horas diárias. Por hoje é isso,
Saudações
andré

Comentários

Postagens mais visitadas